A Adega do Vulcão é a história de um laço entre um casal florentino e as Ilhas dos Açores, nascido, quase por acaso, em 2008.

Este lugar único captou a atenção deste casal, pelo que decidiram estabelecer aqui o seu buen retiro. Com o passar do tempo, as suas estadias expandiram-se, com esta terra a exercer o seu poderoso encanto, e a nascerem desejos e projetos.

Os primeiros vincula-os ao vinho. É a Adega do Vulcão, que através da recuperação paciente das vinhas nativas num terroir peculiar, oferece sob o seu rótulo pequenas produções de vinhos com uma personalidade definida.
A Adega nasceu na Ilha do Faial, perto do vulcão dos Capelinhos, formado em 1957, na sequência de uma erupção iniciada no mar, a uma milha da costa. A areia e as cinzas expelidas pelo vulcão durante mais de um ano inundaram as terras circundantes, criando um terroir sem paralelo nas décadas seguintes. Rapidamente o projeto foi alargado à ilha do Pico, onde as maravilhosas vinhas do antigo património da UNESCO são plantadas na crosta de lava. Duas ilhas, dois terroirs vulcânicos diferentes para uma marca que expressa o amor pela natureza extrema e a sua própria relação com o homem.

Os vinhos Adega do Vulcão transportam todas as atividades vitivinícolas relacionadas com a produção, transformação e exportação internacional de vinhos brancos de qualidade.

We use native vines which are IGP quality certifed and the best cultivation and processing techniques Utilizamos vinhas autóctones com certificação de qualidade IGP e as melhores técnicas de cultivo e transformação A empresa tem atividades em duas ilhas – Pico e Faial – com cerca de 14 hectares de vinha no total, alguns dos quais começaram a produzir em 2017, e tem uma adega na Ilha do Pico com o melhor equipamento disponível a nível internacional.

A Adega do Vulcão é agora propriedade de uma família italiana na qual existem 2 gerações de profissionais/empresários com formação sólida em gestão empresarial, negócios internacionais, marketing e na gestão de projetos inovadores de agricultura e vinificação.

As actividades vitivinícolas são levadas a cabo com a supervisão do consultor Alberto Antonini.O projeto global é acompanhado de perto e ativamente apoiado pelo Governo Regional dos Açores devido à sua perspetiva inovadora e à possibilidade de replicação.