As vinhas têm sido cultivadas nos Açores desde as primeiras povoações e ao longo dos séculos.

Historicamente, a Grã-Bretanha e as suas colónias foram os principais mercados para os vinhos produzidos nas ilhas atlânticas, que chegaram mesmo à mesa do Tsar na Rússia. As antigas variedades de uvas eram Verhelho, Arinto, Terrantêz e Bastardo.

 

Em meados dos anos 800, uma epidemia devastadora de filoxera destruiu quase completamente as castas nativas, que foram substituídas por videiras Isabel americanas, resistentes a este tipo de infeção. O processo gradual de reintrodução das vinhas autóctones nos Açores começou no final dos anos 80. Os produtores locais foram encorajados a substituir as vinhas Isabel por castas tradicionais, predominantemente Verdelho e Arinto dos Açores.

Hoje, a Adega do Vulcão cultiva vinhos nas ilhas do Pico e do Faial.

O primeiro mapa a mostrar um grupo de ilhas ao largo da costa ocidental de Portugal foi o Atlas Medici 1351 (ou Portulano di Firenze).

Só com a criação da escola de navegação de Sagres, fundada por Henrique o Navegador por volta de 1420, é que os primeiros navios portugueses foram em busca destas “ilhas por descobrir”. Os Açores foram oficialmente descobertos em 1472 por Diego de Silves e, dez anos mais tarde, Portugal tomou posse do arquipélago, colonizando-o gradualmente com populações vindas do continente ao longo dos séculos.

Localizadas a cerca de um terço do caminho entre a Europa e a costa norte-americana, as 9 ilhas dos Açores estendem-se ao longo de cerca de 600 quilómetros.

A sua localização geográfica fez delas uma base importante para os navios portugueses nas suas expedições à descoberta do Novo Mundo a partir do século XV, tal como as Ilhas Canárias foram para a marinha espanhola.

Ao longo dos séculos, as ilhas têm sido um destino para os navegadores e cientistas, desde Cristóvão Colombo a Charles Darwin. Qualquer pessoa que tenha navegado através do Atlântico conhece os seus portos e navios de todos os tamanhos e nacionalidades, que ainda hoje passam pelo arquipélago.

Com o tempo, desenvolveu-se uma tradição em que os marinheiros de passagem grafitavam mensagens nas paredes da Horta Maria na Ilha do Faial, que se tornou uma galeria de arte ao ar livre.

Embora nunca tenham conhecido a devastação total da guerra, as ilhas estiveram marginalmente envolvidas em 1943, quando forças britânicas e norte-americanas estabeleceram uma base aérea na Ilha Terceira.

Cristóvão Colombo

Em fevereiro de 1493, ao regressar da sua primeira viagem às Américas, Cristóvão Colombo deparou-se com uma terrível tempestade no meio do Atlântico. Os seus dois navios, La Niña, com Colombo a bordo, e La Pinta, perderam o contacto um com o outro e cada tripulação pensou que o outro se tinha afundado.

Convencido de que não iria conseguir, Colombo embrulhou os seus registos de descobertas num pano encerado e confiou-os ao mar num barril selado, na esperança de que se todos eles morressem, pelo menos a história das suas descobertas sobreviveria. As condições melhoraram e Colombo conseguiu desembarcar nos Açores, refugiando-se na ilha de Santa Maria, a ilha mais meridional do arquipélago. No final, tudo sobreviveu, exceto o barril, que nunca mais foi visto.

Charles Darwin

Após mais de quatro anos a explorar o mundo, Charles Darwin aterrou nos Açores no H.M.S Beagle em 1836, onde a observação de várias espécies de aves contribuiu para os seus estudos de evolução.

O arquipélago possui ricas características de biodiversidade e uma área de grande interesse natural para zoólogos e botânicos. Em 1881, Charles Darwin referiu-se a eles como “um maravilhoso campo de observação” em correspondência com Francisco de Arruda Furtado, um jovem naturalista açoriano que se encontrava na Ilha de São Miguel.